Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Localização
Saiba onde está localizada a ADDN.
Mapa
Rua Amadeu Bonato, n° 43
Distrito Industrial
CEP 14176-153
Sertãozinho-SP
Veja o mapa
Contato
Entre em contato com a ADDN.
Contato

Telefone: +55 (16) 3511-5500 / 3946-3826
Fax: +55 (16) 3946-3820
E-mail: addn@addn.com.br
Preencha o formulário

  
Notícias

Agência da ONU discute desenvolvimento sustentável com setor de mineração no RJ


01/11/2016

Foto: PNUD

Foto: PNUD

Em parceria com o Fórum Econômico Mundial, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) organizou na sexta-feira (21) painel sobre para discutir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) durante o Congresso Mundial de Mineração, realizado no Rio de Janeiro.

O objetivo do painel foi debater o papel do setor na conquista da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. O evento foi organizado pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM).

O debate reuniu representantes da indústria, de governos e da sociedade civil. Membros da academia, de instituições de Europa, África e Américas também discutiram como a Agenda 2030 e os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável podem colaborar com o setor e como temáticas de transparência, diálogo, inovação e capacidades institucionais afetam esse processo.

Gillian Davidson, do Fórum Econômico Mundial, afirmou que “a mineração, muitas vezes, está localizada em cidades onde representa a principal atividade econômica da região”. “Assim, a indústria de mineração tem possibilidade excepcional de contribuir com a implementação da Agenda 2030 naqueles territórios”, declarou.

Representante do Instituto Votorantim, Rafael Gioielli ressaltou que os ODS devem estar integrados no “core business” da empresa para ter um alcance real. “É preciso encontrar oportunidades onde os investimentos sejam feitos a partir das operações da empresa, e não em projetos paralelos”, disse.

“Quando se fala em investir em filantropia, é investido 1% do lucro das empresas, em ações sociais 0,5% do orçamento total, já os investimentos nas operações chegam a 85% do orçamento”, completou.

Outro ponto em debate foi a transparência e o diálogo nas atividades de mineração, em ações que possam ser monitoradas pela sociedade civil e também pelo governo.

Bruno Gomes, do Grupo de Diálogo, citou um caso no Peru onde “as amostras de águas são coletadas separadamente e de forma independente pela sociedade civil, pelo governo local e pela empresa para avaliação da qualidade”. “Os resultados são analisados e discutidos em conjunto, gerando confiança nas relações e uma verdadeira transparência”, afirmou.

Maria José Salum, do Ministério de Minas e Energia, ressaltou a importância de pensar nos projetos de mineração além do tempo de funcionamento das minas. “É preciso pensar o desenvolvimento do território integrado e no longo prazo, para que os investimentos sejam incorporados por gerações subsequentes”, disse.

O painel debateu a necessidade de se estabelecer parcerias entre os diferentes atores envolvidos nas atividades de mineração para incorporar a Agenda 2030.

O debate foi uma continuação do Diálogo Global, realizado em 2014, reuniu líderes para pensar em conjunto formas de incorporar os ODS na indústria extrativa.


Fonte: ONU BR